Narciso Martins

Sofisticação, charme e aconchego

C onsiderada por muitos, aqui no Brasil, uma peça meramente decorativa devido a nosso clima tropical, ela é muito mais do que isto em algumas regiões do país. Proporcionando sofisticação e requinte para ambientes rústicos ou modernos em cidades de clima mais baixo como regiões de serra do sudeste e principalmente da região sul. Realizei trabalhos de construção de lareiras em algumas destas regiões como Bento Gonçalves e São Joaquim/RS e Campos do Jordão, Amparo e até mesmo aqui na Baixada Santista/SP.

As medidas de altura e largura da área de combustão e boca estão ligadas a dimensão do abiente a ser aquecido. Assim como seu posicionamento no cômodo deve prever as correntes de ar existentes entre portas e janelas afim de evitar fuga de fumaça. É essencial um profissional qualificado para execução deste tipo de trabalho. Kits prontos ou pré fabricados não atenderão essas necessidades em quase 90% dos casos!

É preciso saber calcular as dimensões necessárias para um bom aquecimento do ambiente, definir a exaustão para a chaminé e a melhor localização da lareira para que não sofra influência de correntes de ar, causando retorno de fumaça.
Narciso Martins

Segurança é primordial para um bom uso

A lenha utilizada para qualquer tipo de queima deve estar sempre seca, seja para sua lareira, fogão, forno ou até para sua churrasqueira. A madeira seca queima melhor, é mais fácil de acender, produz brasa mais rapidamente e pouca fumaça, ao contrário da lenha molhada ou úmida. Se for possível guardar a lenha durante algum tempo em lugar coberto e ventilado, isto vai ajudar bastante.
Para o acendimento, empilhe algumas toras menores e utilize gravetos, papel, um pão velho embebido em um pouco de álcool ou até um acendedor para churrasqueiras por baixo da pilha de madeira. Não utilize quantidades muito grandes de lenha para não gerar labaredas muito altas!
NUNCA utilize derivados de Petróleo, são perigosos e incorrem em contaminação da área refratária. Caso vá usar o álcool não exagere na quantidade sob risco de explosão que poderá trazer a labareda para fora da lareira, danificando o equipamento podendo causar incêndio.

Prefira sempre alimentar o fogo aos poucos para ter o controle sobre a chama e ter sempre brasa. É ela que reflete o calor nor refratários que por sua vez, refletem o calor de volta para o ambiente. Encher a lareira com muita lenha de uma vez vai gerar uma labareda muito alta, o que significa desperdício de energia calorífica.

Para a remoção das cinzas, limpe sempre no dia seguinte com as brasas apagadas. Não tente remover as cinzas com a lareira quente ou com a lenha em brasa. Não utilize água para apagar o fogo, o choque témico poderá causar problemas irreversível na estrutura, nos refratários ou nos isolantes térmicos, causando trincas ou fissuras que possibilitarão a fuga de fumaça, calor ou até mesmo brasa. Deixe que o fogo se extinga naturalmente, espalhando um pouco as brasas com o atiçador pode acelerar o processo.

Em uma emergência de incêndio, caso tenha exagerado na quantidade de lenha e isto esteja causando o aumento descontrolado da chama para fora da lareira, NÂO JOGUE ÁGUA!! Utilize um extintor de incêndio do tipo Pó Químico.

MUITO CUIDADO
As ditas "lareiras" à álcool ou como chamam bio-combustível, são no meu entender meros receptientes com combustíveis inflamáveis, sujeitos a perigos de incêndio e ineficiente aquecimento do ambiente:
* O reabastecimento do combustível requer extrema atenção para não deixar cair nenhuma gota, o que poderia manchar ou queimar mesas, tapetes, estofados ou qualquer outra parte da decoração;
* Algumas não possuem nenhuma proteção da chama para crianças ou animais de estimação;
* O fabricante recomenda locais "arejados" para sua instalação (no inverno abra as janelas?!)
* Não há exaustão, portanto nada de queimar qualquer coisa, assar alimentos ou até usar um "réchaud" para não gerar fumaça.



Deixe seu comentário